65% dos cargos de direção do Grupo Orpea são ocupados por Mulheres

– Os departamentos de medicina, qualidade, jurídico, fusões e aquisições e desenvolvimento de recursos humanos são chefiados principalmente por mulheres;

  “Precisamos apoiar todas as valiosas. As decisões nunca se tomam tendo em consideração o género”, afirma Assunção Zaragoza CEP e Diretora Financeira da ORPEA Ibérica.  

A igualdade de género é um compromisso do Grupo ORPEA. Por isso, num setor com alta representatividade feminina entre os colaboradores, as mulheres sempre tiveram lugar de destaque. Na verdade, 65% dos cargos de gestão são ocupados por mulheres, seja na administração de centros ou na liderança dos diversos departamentos: medicina, qualidade, fusões e aquisições, jurídico e desenvolvimento de recursos humanos. Estes números refletem a política proactiva bem implementada da ORPEA.

“Acreditamos na gestão inclusiva e na inteligência coletiva. É importante para nós garantir uma diversidade de pensamento. Essa é a verdadeira riqueza, aquela que nos permite complementar e ir mais longe”, explica o CEO da ORPEA, Yves Le Masne.

Ciente da sua responsabilidade, a ORPEA está comprometida com uma política de diversidade e inclusão no seu quadro de colaboradores há mais de 20 anos. Dar a cada pessoa uma oportunidade baseada exclusivamente nas suas habilidades e valores, independentemente do género, idade, origem ou formação anterior, é um compromisso que está alicerçado aos valores da empresa. Todas as funções, incluindo cargos de responsabilidade, são acessíveis a mulheres e homens.

Com Voz de Mulher

No Dia Internacional da Mulher, para dar vida aos compromissos do Grupo e exemplificá-los, a ORPEA entrevistou algumas das mulheres que integram a sua equipa para falar sobre a sua profissão, as suas experiências e desafios e partilhar os seus conselhos e também os seus sonhos de um mundo mais justo e igual no qual o trabalho representa uma oportunidade poderosa para a igualdade de género. Entre elas está Asunción Zaragoza, CoCEO e CFO da ORPEA Ibérica.

Orpea Assuncion

Asunción, que iniciou a sua carreira no Grupo em 2006 como CFO, indica que a principal dificuldade é equilibrar a vida profissional e privada: “Às vezes, foi desafiador e stressante”. Mas ela afirma que sempre teve o apoio e a confiança dos seus chefes: “Tive a sorte de não me sentir discriminada e talvez, só talvez, seja porque nunca pensei que poderia ser discriminada apenas por ser mulher. A atitude em relação ao que se deseja é importante. Se tens confiança em ti mesma, isso transmite-se e evita que os outros tentem criar inseguranças.

No entanto, reconhece que ainda há um longo caminho a percorrer para a igualdade social e laboral. Nesse sentido, o seu compromisso é “fazer com que ninguém da minha equipa tenha uma desvantagem por ser mulher. Infelizmente, a maioria das mulheres ainda carrega o fardo dos cuidados familiares mais do que os homens e, às vezes, é necessária mais flexibilidade em situações específicas. E, como empresa, precisamos apoiar pessoas valiosas. As decisões nunca são feitas tendo o género em mente”.