Orpea desenvolve cuidados especiais para melhorar a qualidade do sono dos séniores

Cientes dos benefícios de dormir bem, as equipas multidisciplinares da ORPEA desenvolvem planos de cuidados especiais para melhorar a qualidade do sono dos idosos, especialmente se detetarem que têm um distúrbio do sono.

O sono, se for de qualidade, torna-se um fator fundamental para melhorar a saúde física, cognitiva e emocional, pois favorece o equilíbrio fisiológico e o sistema nervoso central, que tem um impacto favorável nos processos cognitivos e na função motora (deambulação e equilíbrio). Também reduz a fadiga e o mal-estar diário e até o risco de quedas nas pessoas mais idosas e melhora o humor, reduzindo a irritabilidade e a ansiedade.

Segundo estudo recente levado a cabo pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia e pela Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho, estima-se que 46% dos portugueses com idade igual ou superior a 25 anos sofre de dificuldades em iniciar ou manter o sono. De facto, afirma a coordenadora médica do Grupo ORPEA, Silvia Lores, “o envelhecimento leva a alterações na bioquímica cerebral diretamente relacionada às funções do sono, o que se traduz numa maior dificuldade em adormecer, aumento de despertares noturnos e uma maior alternância sono-vigília; e, como consequência, a eficiência do repouso diminui”.

A insónia é o principal distúrbio do sono em idosos e é caracterizada pela dificuldade em iniciar ou manter o sono. A sua origem pode ser multifatorial, pois, às alterações fisiológicas do envelhecimento, podem juntar-se possíveis doenças, hábitos de sono incorretos, tratamentos farmacológicos e fatores psicossociais e emocionais que podem estar relacionados.

Nas residências do grupo ORPEA, mantêm-se medidas de acompanhamento alimentar e hábitos de sono adequados. No entanto, é sempre descartada a existência de uma causa médica. E, se houver, é seguida uma abordagem específica para o caso em questão.

Hábitos que favorecem um sono repousante:

Nos centros ORPEA, são colocados em prática certos cuidados que ajudam a alcançar o sono adequado. Entre eles, Silvia Lores destaca os seguintes:

  • Manter uma hora regular para dormir e acordar;
  • Prestar especial atenção ao ambiente, favorecendo um ambiente silencioso com níveis reduzidos de luz e ruído;
  • Estabelecer uma temperatura adequada no quarto, para alcançar um estado de calma que facilite a indução do sono;
  • Evite alimentos ou bebidas estimulantes à tarde;
  • Realizar exercício físico durante as primeiras horas do dia, de preferência. Visto que o exercício antes de dormir pode ter um efeito estimulante e ter um efeito oposto ao procurado;
  • Evitar assistir a programas que possam gerar exaltação ou medo, bem como ecrãs de computador, tablets ou telemóveis;
  • Sestas de menos de 30 minutos. Dessa maneira, os seniores podem descansar parcialmente, mas sem alterar o seu ciclo circadiano.

Cuidados para os distúrbios do sono:

Quando os hábitos com o cuidado com o sono não são suficientes, “o médico realizará uma avaliação exaustiva para descartar os fatores de risco. Cada caso será tratado individualmente, tendo em consideração o estado funcional e cognitivo”, diz a coordenadora médica da ORPEA.
Na maioria dos casos, os idosos estão envolvidos em atividades terapêuticas, em que são dadas recomendações e desenvolvidas estratégias.
No caso dos idosos com problemas cognitivos, o seu repouso noturno será monitorizado para mostrar os problemas que caracterizam essa condição e descartar complicações médicas, desconfortos ou medos.