Vacinação contra a gripe: Residências Orpea promovem a vacinação dos residentes e trabalhadores

Lisboa, 22 de novembro de 2019 – Grupo ORPEA adere à campanha anual contra a gripe e promove a vacinação dos residentes e trabalhadores, em todas as residências de Portugal.

No outono, as pessoas mais velhas têm uma consulta de saúde inevitável: vacinação contra a gripe. Sociedades médicas, como a SEGG, recomendam a vacinação das pessoas de mais idade, preferencialmente a partir dos 65 anos, para prevenir esta doença infecciosa viral, bem como as suas consequências mais graves: pneumonia, bronquite, otite e sinusite.

Na ORPEA, estamos cientes da importância da vacinação contra a gripe, como medida preventiva. A diretora de saúde, Victoria Pérez, diz que “a vacinação é a medida mais eficaz para prevenir a gripe e as suas sérias complicações, além de prevenir o contágio”. Por isso mesmo, as residências ORPEA aderem à campanha anual de vacinação, promovida pelo Serviço Nacional de Saúde, sendo responsáveis por informar os idosos e as famílias, administrar vacinas e fornecê-las aos utentes na sua própria residência, evitando que tenham de se deslocar a um centro de saúde para realizar esse procedimento. “Dessa forma, conseguimos aumentar a cobertura de vacinação entre os residentes e trabalhadores, protegendo-os de maneira pessoal e comunitária”, diz a Dra. Victoria Pérez.

Eneko Atxa também valorizou a cozinha dos centros de dia: “Esta cozinha parece menos complexa do que a que fazemos nos nossos restaurantes. No entanto, é mais difícil, porque, para além das limitações alimentares dos residentes, dos produtos a serem utilizados ou das técnicas de confeção, é necessário obter um excelente e, acima de tudo, saudável e personalizado resultado. É um trabalho de se louvar e por isso encorajou os participantes a manterem o seu entusiasmo e curiosidade e a continuarem o treinar: “O conhecimento vai dar-lhes a coragem para continuarem a aprender, a praticar e a crescerem como profissionais”.

Uma condição respiratória aguda pode causar febre até 39°C, calafrios, dor de cabeça, dores musculares, espirros, tosse intensa e persistente, expectoração, lacrimejamento e faringite leve, por aproximadamente sete dias. Embora esses sintomas não sejam problemáticos numa primeira instância, deve ter-se especial atenção com as pessoas mais velhas para que não surjam complicações, uma vez que, em regra, o seu sistema imunológico é mais enfraquecido. Além disso, uma condição respiratória aguda pode acabar por colocar vidas em risco se não houver forem tidos em conta os cuidados adequados.

QUANDO DEVE SER FEITA A VACINAÇÃO?

A campanha de vacinação começa no final de outubro e prolonga-se durante todo o mês de novembro. Geralmente, a vacinação é feita antes da queda abrupta das temperaturas, porque é quando há um risco maior de contrair a gripe. Além disso, é tida em consideração o facto da imunidade contra o vírus demorar cerca de quatro semanas para se desenvolver.

De forma a que o processo de vacinação seja feito com eficiência, a ORPEA começa a informar os familiares e residentes, em setembro, sobre a importância da vacinação para o bem-estar dos familiares mais velhos e recolhe o consentimento dos interessados. Neste processo inicial, os familiares são ainda alertados de que a vacinação de familiares é também uma medida de proteção para os residentes.

A vacina contra a gripe confere imunidade por um período máximo de 12 meses, sendo por isso necessário vacinar-se todos os anos para reforçar as defesas e para que o organismo se adapte às novas estirpes.

A partir dos 65 anos, além da vacinação para prevenir a gripe, é também aconselhável receber a vacina pneumocócica, que é administrada uma vez na vida e protege contra pneumonia causada pela gripe.

VACINAÇÃO DOS PROFISSIONAIS

A vacinação contra a gripe também é recomendada para quem trabalha em instituições geriátricas, uma vez que está em contacto com pessoas com sistemas imunitários mais vulneráveis. Por isso mesmo, o grupo ORPEA também informa os seus profissionais sobre a necessidade de se vacinarem de forma a evitar a infeção dos mesmos e dos residentes.

OUTRAS SEIS MEDIDAS PARA PREVENIR A GRIPE

Os vírus da gripe são geralmente transmitidos pela inalação de gotículas de saliva infetadas encontradas no ambiente quando espirramos, tossimos ou falamos. Apesar disso, “o ar não é a principal via de infeção, mas sim as mãos, porque o vírus se espalha pelas superfícies em que uma pessoa infetada toca”, diz Victoria Pérez. Entre as medidas de higiene para reduzir a transmissão, a especialista recomenda o seguinte:

  1. Lave as mãos com frequência e use uma solução hidroalcoólica depois;
  2. Tape a boca e o nariz com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e depois coloque o lenço de papel usado no lixo;
  3. Não partilhe toalhas, lenços ou outros itens pessoais que facilitem o contágio;
  4. Evite infetar outras pessoas seguindo o conselho dos profissionais de saúde se estiver doente. Recomenda-se não visitar familiares se estiver infetado;
  5. Evite mudanças bruscas de temperatura e sítios com muitas pessoas;
  6. Evite beijos e contato próximo, partilhar copos, talheres e outros objetos que possam estar em contato com saliva ou secreção.